• Da Redação

Inicia o Festival de Cinema Infantil online nas escolas em Pernambuco

Programação ocorre até o dia 31 de março e pode ser acessada pelo site www.takorama.com.br.




Da Assessoria de Imprensa

Foto: Divulgação


O Takorama Brasil – Festival Online de Cinema une educação, cultura e tecnologia, tudo gratuito para as crianças, jovens, educadores e toda a família. A programação ocorre até o dia 31 de março e pode ser acessada pelo site www.takorama.com.br. Os filmes podem ser assistidos em qualquer horário e apesar de serem de diferentes países poderão ser apreciados por um público de qualquer língua.


Entre os destaques da programação estão os premiados o “Meu Estranho Avô”, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011), “O Emprego”, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008) e “O Complexo do Porco-espinho”, de LISAA (França, 2013), que traz uma história para refletir sobre o bullying, autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço.


Da Assessoria de Imprensa

Foto: Divulgação


#maisjaboatao #jaboatãodosguararapes #sescpe #pernambuco #festival #cinema #cultura #lazer


Entre os destaques da programação estão os premiados o “Meu Estranho Avô”, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011), “O Emprego”, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008) e “O Complexo do Porco-espinho”, de LISAA (França, 2013), que traz uma história para refletir sobre o bullying, autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço.


O Takorama Brasil é uma iniciativa da Associação Internacional Films pour Enfants (filmes para crianças), proposto pela produtora 3emeio no Brasil. Tem como parceiros internacionais a Comissão Nacional Francesa da Unesco, Global Alliance for Partnerships on Media and Information Literacy (UNESCO MIL), United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC) e grupo Growing up & understanding digital tools 3-6-9-12. Realizado com apoio da Lei Aldir Blanc. Em Pernambuco, conta com parcerias como o Sesc PE, Secretaria de educação do Estado de PE, Secretarias municipais do Estado, Museu do Estado de PE, cinema da Fundação ( FUNDAJ), Instituto Conceição Moura,Instituto Ricardo Brennand, Usina de Arte. Abrangendo escolas públicas e privadas.


“O objetivo do festival é permitir que as crianças e jovens descubram novos filmes e compreendam a linguagem audiovisual. E também que elas se transformem em espectadores ativos, opinem, façam atividades e votem em seu filme favorito. Além da educação da imagem, o festival permite que os professores possam inovar no formato de aulas híbridas. Educar com cinema traz um aumento na qualidade da aprendizagem e bem-estar, além de possibilitar a iniciação à educação digital e ao letramento midiático e informacional.” comenta Liana Vila Nova, Diretora da América Latina da Associação Internacional Films pour Enfants.


A programação do Takorama traz filmes de diversos países. São 15 curtas-metragens, com duração média de cinco minutos, sem publicidade, com abordagens sobre tolerância, empatia, amizade, ecologia e cidadania. São filmes de diversos países que foram cuidadosamente selecionados pela Associação Internacional Films pour enfants, que é especializada em filmes para esse público. O programa é dividido em cinco categorias, para crianças e adolescentes de 3 a 17 anos.


O público poderá opinar e votar no seu filme favorito, dando voz às crianças, como júris mirins. Além disso, a plataforma do festival oferece um material pedagógico para cada filme a serviço das famílias e educadores, que podem questionar os filmes e desenvolver atividades educativas junto com as crianças. Os professores podem participar do festival com sua turma e incluir uma experiência lúdica e inovadora nas atividades escolares.


Os curtas-metragens para a faixa etária de 3, 4 e 5 anos são “O Edifício”, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018), que aborda o tema de respeitar as diferenças e a conviver com respeito a partir da história de um grande edifício que salva pequenas casas de uma inundação. “Olá”, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014) apresenta adoráveis personagens em formas geométricas aprendendo a se conhecer e “O Melhor Brinquedo”, de Gabriel Lin (EUA, 2014) traz uma corrida, perdida de antemão, onde um menino tentará transformar o seu brinquedo para fazer com que pareça o mais tecnológico dos brinquedos.


Para a faixa etária de 6, 7 e 8 anos, o festival traz três títulos. “O Tubarão do Aquário”, de Ashley Farlow (EUA, 2014) que conta a história de um pobre tubarão em seu aquário pequeno. “O Complexo do Porco-espinho”, de LISAA (França, 2013), que traz uma história para refletir sobre o bullying, o sentimento de rejeição, falta de autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço. “Você Parece Assustador”, de Xiya Lan (EUA, 2016) traz à tona emoções comuns para as crianças, rir de medo do dentista. Quem tem mais medo? O paciente crocodilo ou o coelho dentista que parece não gostar dos dentes afiados do seu cliente?


Para a faixa de 9, 10 e 11 anos, os títulos escolhidos foram “Iguais”, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016) que em uma sociedade conformista e uniforme, um pai tenta colocar o seu filho no caminho certo e leva a questionar se é mesmo o melhor caminho. “O Cão Só”, de Mike A. Smith (EUA, 2014) faz uma homenagem aos desenhos animados dos anos 1940 sobre o sonho de um cachorro em sair de casa e “Meu Estranho Avô”, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011) traz uma amizade entre uma menina e o seu avô excêntrico.


Os filmes para a faixa etária de 12, 13 e 14 anos são “Vagamundo”, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014) que para salvar o seu cachorro, o personagem embarca em uma busca frenética em um mundo distópico, “Aparência e Realidade”, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014) que traz uma pequena história sobre os sentimentos que mostramos ou escondemos e “Antípoda”, de Frodo Kuipers (Bélgica, 2001), onde tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis, até o dia em que, do outro lado do espelho, chega um novo habitante e vira o mundo de cabeça para baixo.


Para a faixa etária de 15, 16 e 17 anos os três filmes escolhidos são “O Macaco Homem”, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012) que traz a história de um macaco muito inteligente, lutando contra o desmatamento da floresta amazônica, “O Emprego”, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008) que traz uma sátira com homens alienados e reduzidos a mero objetos e “Sr. COK”, de Franck Dion (França, 2014) que em busca de eficiência e lucro, o Sr. Cok fabrica bombas e decide substituir seus trabalhadores por robôs.


Além dos filmes, o festival oferece ainda uma programação de lives nas suas redes sociais.


#maisjaboatao #jaboatãodosguararapes #sescpe #pernambuco #festival #cinema #cultura #lazer



2 visualizações