top of page

Jaboatão registra o menor índice de infestação do Aedes Aegypti em 10 anos

O levantamento é feito a cada dois meses, por meio de visitas dos Agentes de Endemias (ACEs) às residências, à procura de focos de larvas do mosquito

Foto: PMJG/Assessoria de Imprensa


A Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes divulgou, nesta quarta-feira (11), o último Levantamento Rápido de Índices de Infestação para o mosquito Aedes aegypti (LIRAa), que aponta um resultado inédito nos últimos 10 anos. O índice registrado pela Secretaria Municipal de Saúde é de 0,8%, inferior ao percentual mínimo de 1% determinado pelo Ministério da Saúde. O levantamento é feito a cada dois meses, por meio de visitas dos Agentes de Endemias (ACEs) às residências, à procura de focos de larvas do mosquito.


O estudo contou com uma cobertura inédita de 85% dos imóveis, considerando todas as sete regiões do município, e não registrou nenhuma área de risco para arboviroses como dengue, zika e chikungunya, transmitidas pelo mosquito. O resultado vai além do último período do LIRAa. Embora o Brasil tenha registrado o maior número de mortes causadas por dengue da história do país, em 2022, Jaboatão não teve nenhum óbito notificado, ao longo do ano passado.


“Os indicadores demonstram o compromisso da gestão com a saúde da população. Reforçamos as equipes de vigilância ambiental da Secretaria de Saúde, por meio dos agentes de endemias, que têm feito um forte trabalho de prevenção aliado a uma massiva campanha educativa, em parceria com a Secretaria de Educação. Enquanto equipes da Secretaria Executiva de Serviços Urbanos e Defesa Civil atuam na limpeza de canais, galerias e canaletas e removem entulhos lançados em via pública. E os jaboatonenses também estão colaborando nessa missão”, comemorou o prefeito Mano Medeiros, em encontro com os ACEs, aos quais agradeceu o empenho pessoalmente.


A secretária de saúde, Zelma Pessôa, salientou que, diariamente, 266 agentes de combate a endemias se distribuem pelas sete regiões do município, orientando os moradores a eliminar pontos de água parada (como vasos, garrafas, tampinhas e pneus), além de realizarem mutirões aos sábados, tratarem focos específicos, implantarem ovitrampas (armadilha para captura de ovos do mosquito Aedes aegypti) e distribuírem capas de caixa d´água, entre outras ações.


Para trabalhar a educação de forma lúdica, agentes também estiveram, no último semestre, em escolas com apoio do mascote Motosquito, personagem lançado em campanha que utilizou moto-som, spots de rádio, panfletos e redes sociais, e contou com a participação de alunos na visitação às residências.


“Os resultados são muito positivos e para que se mantenham assim é importante não apenas nossas equipes seguirem com o combate diário ao mosquito, mas também é indispensável a população permitir o acesso de nossos agentes e seguir as orientações repassadas. Lembrando que em períodos chuvosos a proliferação tende a crescer e precisa de maior atenção”, destacou a secretária.


Comments


bottom of page