• Da Redação

Aria Social e Companhia Valdeck Farias entre os homenageados na Câmara do Recife

O evento, realizado nesta sexta (29), celebrou o Dia Internacional da Dança e entregou diploma para 49 grupos

Foto: Divulgação/Câmara do Recife


Em homenagem ao Dia Internacional da Dança, celebrado em todo 29 de abril, a Câmara Municipal do Recife realizou uma solenidade no plenário da Casa, proposta pela vereadora Cida Pedrosa (PCdoB). Presidida pelo vereador Hélio Guabiraba (PSB), o evento contou com a presença de artistas, dançarinos, dançarinas e representantes da cultura não só do Recife, mas de Pernambuco. Na ocasião, 49 nomes de grupos foram chamados para receber um diploma das mãos da parlamentar. Entre os homenageados foram Companhia de Dança Valdeck Farias e Aria Social, de Jaboatão dos Guararapes.


Também compuseram a mesa o secretário de Cultura do Recife, Ricardo Melo; o bailarino, professor e jornalista Marcelo Senna; o gerente-regional de Cultura do Sesc, José Rudimar Constâncio; a diretora do Grupo Experimental de Dança, Mônica Lira; e a secretária-executiva da Mulher de Pernambuco, Janaina Granja.


A vereadora Cida Pedrosa destacou que o principal objetivo do requerimento de nº 1628/2022, que solicita a solenidade para a Celebração do Dia Internacional da Dança, é a possibilidade de criação de oportunidade para pessoas que vivem da dança. "Para mim, este é um ato simbólico. Esta Casa precisa ser ocupada permanentemente por ideias originadas das cabeças dos realizadores e realizadoras de cultura. A principal motivação do requerimento é criar oportunidade para que as pessoas se encontrem e, neste primeiro momento, sinto que o primeiro objetivo já foi alcançado", observou.


Para a parlamentar, a arte é um local de encontros, desencontros e diferenças. "Hoje eu proponho que seja mais uma oportunidade para que, efetivamente, o encontro aconteça e que desse ato sejam geradas muitas outras possibilidades de diálogo e construção. Outra motivação é festejar a dança como ato original da expressão humana. Entendo e sei com segurança: todo corpo dança, cada um dança do seu jeito, mas todo corpo dança"


Cida Pedrosa falou, ainda, sobre a atuação do mandato na arte e cultura. "A cultura tem merecido de nosso mandato uma atenção especial com iniciativas voltadas ao fortalecimento de políticas que atendam às principais demandas dos setores. A cada dia surgem novos desafios, mas também novas oportunidades. Enquanto eu estiver nesta Casa, serei uma voz ativa na luta para que avancemos, seja por meio de ações que qualifiquem as legislações, seja na produção de espaços para viabilização e empoderamento de projetos, grupos, produções ou pessoas".


Depois do discurso da vereadora, o bailarino Matheus Pimentel fez uma apresentação de dança contemporânea em cadeira de rodas. "Um desafio que ele domina muito bem", ressaltou o vereador Hélio Guabiraba. Logo após, houve a entrega das homenagens pela vereadora. O mestre Neném e o contramestre Ozeas, apresentaram o jogo de capoeira ao som do berimbau.


Representando todos os 49 homenageados, o bailarino, professor e jornalista Marcelo Senna em seu discurso, problematizou a valorização e reconhecimento do movimento artístico. "Estar aqui hoje me faz feliz e, ao mesmo tempo, é muito desafiador entender qual é o lugar que as mobilizações da dança fizeram nas duas últimas décadas. Falo de onde eu transitei por esse tempo, reconhecendo que há tantos outros espaços e lutas que não tenho propriedade agora ou conhecimento para reportar. Há a necessidade de renovação da nossa categoria em estar presente, atuante e ocupando esses espaços".


Marcelo Senna destacou que, mesmo com todas as questões políticas e sociais que o País está vivendo, a dança segue encontrando brecha para existir. "No atual momento em que estamos vivendo essa ascensão fascista e da extrema direita, temos a margem de muitos espaços e orçamentos que poderiam salvaguardar os nossos lugares, nossas e nossos artistas e técnicos da dança, uma cadeia produtiva imensa que fez e faz circular capital por vários lugares. A dança encontra suas brechas e continua acontecendo, continua movendo nossos corpos e faz brotar vida onde nada parece germinar, mas precisamos de suportes para que as pessoas que trabalham nessa área possam ter condições mínimas para sobreviver e fazer suas danças existirem e resistirem".


Senna enalteceu que é com a dança que muitas pessoas conseguem se entender. "Se estender ao mundo, se conectar com o mundo e comunicar o tanto de mudanças que a gente pode impulsionar. O que registramos aqui é não só a necessidade de valorização e reconhecimento do nosso trabalho mas, principalmente, as condições básicas para que profissionais consigam dar prosseguimento aos seus trabalhos e possibilitar que novas gerações deem prosseguimento nisso. Dançar também é lutar. Dancemos", salientou o dançarino.


O Secretário de Cultura do Recife, Ricardo Mello, fez uma saudação a todos e todas presentes no plenário da Casa de José Mariano e enfatizou que a dança é um movimento de corações. “Ela nos faz mover e nos faz mobilizar e pensar a dança que vai além do movimento corporal. Que nos provoca tantas coisas boas em um momento de transição como esse. Tanto é transição que a gente até discute como a gente se cumprimenta, se é um aperto de mão ou um abraço. A dança é individual e universal. São movimentos que nos levam e trazem à reflexão, comunhão e a esperança”.


Mônica Lyra, diretora do Grupo Experimental de Dança, disse que o momento na Casa de José Mariano era de celebração e desejou que as novas gerações possam continuar com o trabalho engrandecedor da dança. “Muito bonito ver esse encontro depois de tudo que a gente passou e viveu. Ver tanta gente querida, fazedores e fazedoras da dança. Tantas pessoas guerreiras e gostaria de registrar que eu nunca vivi uma solenidade na Câmara e é muito importante ser dito porque expressa que esse gesto é digno de parabéns. Que venham as novas gerações para essa luta e possa reunir essas forças que aqui estão. Se a coletividade não existir, nada vai funcionar”.


Janaína Granja, secretária executiva da Mulher de Pernambuco, enalteceu o valor da dança, considerando-a como libertadora. “Saúdo esse momento mágico em que estamos passando agora, um momento pós pandemia. A dança é um instrumento de libertação que permite uma conexão com o outro, com Deus e com nós mesmos. Que esse mandato de Cida Pedrosa continue como um guara-chuva da cultura. Viva a dança!”


Rudimar Constâncio, gerente regional de Cultura do Sesc Pernambuco, anunciou novidades relacionadas à valorização da dança com as instalações de escolas técnicas . “O Sesc Pernambuco está fomentando, a partir desse ano, duas escolas técnicas de dança. Uma em Petrolina e a outra no Sesc Santo Amaro, o qual está se transformando em um centro cultural. E, como centro cultural, ele vai agregar uma escola de dança. Já em maio teremos a primeira incubadora social e cultural que será a Escola Psicossocial Madre Escobar, em São Lourenço da Mata. Lá instalaremos uma lona com arquibancada, som, iluminação, enfim, um espaço digno. A Escola Pernambucana de Circo está ao nosso lado nesse belo trabalho e ensinará como vamos tratar os nossos artistas. Se Deus quiser tudo dará certo. Muito obrigado a todas e todos vocês”.

Homenageados (as):

1 -ESCOLA DE FREVO DO RECIFE – SECRETARIA DE CULTURA - FUNDAÇÃO DE CULTURA CIDADE DO RECIFE

2 – CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA, DEPARTAMENTO DE ARTES, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

3 - COMPANHIA DE DANÇA DO SESC PETROLINA - UNIDADE DO SESC PETROLINA

4 - COMPANHIA DE DANÇA DO SESC ARARIPINA – UNIDADE DO SESC ARARIPINA

5 - GRUPO DE XAXADO CABRAS DE LAMPIÃO DE SERRA TALHADA

6 - PAÇO DO FREVO – INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO – SECRETARIA DE CULTURA - FUNDAÇÃO DE CULTURA CIDADE DO RECIFE

7 - ÁRIA SOCIAL

8 - GRUPO ACUPE DE DANÇA

9 - GRUPO EXPERIMENTAL DE DANÇA

10 - COMPASSOS COMPANHIA DE DANÇA

11 - BALÉ POPULAR DO RECIFE – ÂNGELA MADUREIRA

12 - COMPANHIA TRAPIÁ DE DANÇA

13 – MATHEUS PIMENTEL

14 – GRUPO TOTEM

15 – COMPANHIA OLHARES DE TEATRO E DANÇA DE CARUARU

16 - GRUPO DE CAPOEIRA MALTA – MESTRE NENÉM DE OLINDA

17 – LIQUAJUR – LIGA INDEPENDENTE DAS QUADRILHAS JUNINAS DO RECIFE

18 – FEQUAJUPE – FEDERAÇÃO DE QUADRILHAS JUNINAS E SIMILARES NO ESTADO DE PERNAMBUCO

19 - BALÉ DEVERAS – CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CULTURAL - 42 ANOS, EM BRASILIA TEIMOSA

20 - CIA DE DANÇA GISELLY ANDRADE

21 - GRUPO FOLCLÓRICO EGIDIO BEZERRA

22 - BALÉ DE ARTE NEGRA DO RECIFE – BACNARÉ

23 - GRUPO VIAS DA DANÇA

24 - GRUPO GUERREIROS DO PASSO

25 - BRINCANTES DAS LADEIRAS – FREVO NA RUA

26 - COMPANHIA ARTEFOLIA

27 – CENTRO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DARUÊ MALUNGO

28 – GRUPO MATULÃO DE DANÇA

29 - CAVALHADA TAMBORIL - ASSOCIAÇÃO CULTURAL BOI DIAMANTE DE ARCOVERDE

30 – CIA DE DANÇA VALDECK FARIAS

31 – CIA DE DANÇA FILHOS DO SOL DE IGUARACI

32 – QUALQUER 1 DOS 2 COMPANHIA DE DANÇA, DE PETROLINA

33 – NÚCLEO DE DANÇA DA OAF – ORGANIZAÇÃO DE AUXILIO FRATERNO DO RECIFE, NOS COELHOS.

34 – BALÉ AFRO MAGÊ MOLÊ

35 – CAROL LEMOS DANÇARTE

36 – ACADEMIA E COMPANHIA FÁTIMA FREITAS

37 – CIA DOS HOMENS

38 – STÚDIO DE DANÇA LÚCIA HELENA GONDRA

39 – FERVO PROJETOS – MOSTRA BRASILEIRA DE DANÇA

40 – MARACATU NAÇÃO PERNAMBUCO

41 – GRUPO GRIAL DE DANÇA

42 – COLETIVO LUGAR COMUM

43 – PROJETO ACERVO RECORDANÇA

44 - CIA ETC

45 – ANDRÉA CARVALHO PRODUÇÕES

46 - INTEGRARTE – CENTRO PRÓ-INTEGRAÇÃO, CIDADANIA E ARTE

47 – ASSOCIAÇÃO DE DANÇA POPULAR DE PERNAMBUCO

48 – CIA DE DANÇA PERNA DE PALCO

49 – BALÉ NAGÔ AJÔ


#maisjaboatao #jaboatãodosguararapes #jaboataodosguararapes #diadadança #diainternacionaldadança #recife #cultura #pernambuco